Como usar o comando pmap no Linux

Laptop Linux mostrando um prompt bash
fatmawati achmad zaenuri/Shutterstock.com

Descobrir quanta memória RAM um processo Linux usa não é uma questão simples, especialmente quando a memória compartilhada precisa ser considerada. Felizmente, o pmap comando ajuda você a entender tudo.

Mapeamento de memória

Em sistemas operacionais modernos , cada processo vive em sua própria região alocada de memória ou espaço de alocação . Os limites da região alocada não são mapeados diretamente para endereços de hardware físico. O sistema operacional cria um espaço de memória virtual para cada processo e atua como uma camada de abstração mapeando a memória virtual para a memória física.

O kernel mantém uma tabela de tradução para cada processo, e esta é acessada pela CPU . Quando o kernel altera o processo em execução em um núcleo de CPU específico , ele atualiza a tabela de conversão que une processos e núcleos de CPU.

Os benefícios da abstração

Há benefícios para este esquema. O uso da memória é um pouco encapsulado e protegido por sandbox para cada processo na área de usuário. Um processo apenas “vê” a memória em termos de endereços de memória virtual. Isso significa que ele só pode trabalhar com a memória que lhe foi dada pelo sistema operacional. A menos que tenha acesso a alguma memória compartilhada, ele não conhece nem tem acesso à memória alocada para outros processos.

A abstração da memória física baseada em hardware em endereços de memória virtual permite que o kernel altere o endereço físico para o qual alguma memória virtual está mapeada. Ele pode trocar a memória para o disco alterando o endereço real para o qual uma região de memória virtual aponta. Ele também pode adiar o fornecimento de memória física até que seja realmente necessário.

Contanto que as solicitações de leitura ou gravação de memória sejam atendidas conforme solicitado, o kernel está livre para fazer malabarismos com a tabela de mapeamento como achar melhor.

RAM sob demanda

A tabela de mapeamento e o conceito de “RAM sob demanda” abrem a possibilidade de memória compartilhada . O kernel tentará evitar carregar a mesma coisa na memória mais de uma vez. Por exemplo, ele carregará uma biblioteca compartilhada na memória uma vez e a mapeará para os diferentes processos que precisam usá-la. Cada um dos processos terá seu próprio endereço exclusivo para a biblioteca compartilhada, mas todos apontarão para o mesmo local real.

Se a região compartilhada da memória for gravável, o kernel usa um esquema chamado copy-on-write. Se um processo grava na memória compartilhada e os outros processos que compartilham essa memória não devem ver as alterações, uma cópia da memória compartilhada é criada no ponto da solicitação de gravação.

O kernel Linux 2.6.32, lançado em dezembro de 2009, deu ao Linux um recurso chamado “Kernel SamePage Merging”. Isso significa que o Linux pode detectar regiões idênticas de dados em diferentes espaços de endereço. Imagine uma série de máquinas virtuais rodando em um único computador e todas as máquinas virtuais rodando no mesmo sistema operacional. Usando um modelo de memória compartilhada e copy-on-write, a sobrecarga no computador host pode ser drasticamente reduzida.

Tudo isso torna o manuseio de memória no Linux sofisticado e o mais otimizado possível. Mas essa sofisticação torna difícil olhar para um processo e saber qual é realmente seu uso de memória.

O utilitário pmap

O kernel expõe muito do que está fazendo com a RAM através de dois pseudo-arquivos no pseudo-sistema de informações do sistema “/proc”. Existem dois arquivos por processo, nomeados para o ID do processo ou PID de cada processo: “/proc/maps” e “/proc//smaps”.

A pmapferramenta lê as informações desses arquivos e exibe os resultados na janela do terminal. Será óbvio que precisamos fornecer o PID do processo em que estamos interessados ​​sempre que usarmos pmap.

Encontrando o ID do processo

Existem várias maneiras de encontrar o PID de um processo . Aqui está o código-fonte de um programa trivial que usaremos em nossos exemplos. Ele está escrito em C. Tudo o que ele faz é imprimir uma mensagem na janela do terminal e esperar que o usuário pressione a tecla “Enter”.

#include <stdio.h>

int main(int argc, char *argv[])
{
  printf("Programa de teste Geek How-To.");
  getc(stdin);
} // fim do principal

O programa foi compilado para um executável chamado pmusando o gcccompilador:

gcc -o pm pm.c

Compilando o programa de exemplo

Como o programa vai esperar que o usuário aperte “Enter”, ele vai ficar rodando o tempo que quisermos.

./PM

Executando o programa de exemplo

O programa é iniciado, imprime a mensagem e aguarda o pressionamento de tecla. Agora podemos procurar seu PID. O pscomando lista os processos em execução. A -eopção (mostrar todos os processos) pslista todos os processos. Vamos canalizar a saída grepe filtrar as entradas que têm “pm” em seu nome.

ps -e | grep pm

Encontrando o ID do processo com grep

Isso lista todas as entradas com “pm” em qualquer lugar em seus nomes.

Recomendado:  Pare de criticar aplicativos para “Telefonar para casa”. Em vez disso, pergunte por quê

Podemos ser mais específicos usando o pidofcomando. Damos pidofo nome do processo em que estamos interessados ​​na linha de comando e ele tenta encontrar uma correspondência. Se uma correspondência for encontrada, pidofimprime o PID do processo de correspondência.

pidof pm

Usando pidof para encontrar o ID do processo

O pidofmétodo é mais organizado quando você sabe o nome do processo, mas o psmétodo funcionará mesmo se souber apenas parte do nome do processo.

Usando pmap

Com nosso programa de teste em execução, e uma vez que identificamos seu PID, podemos usar o pmap assim:

pmap 40919

Executando o pmap no programa de exemplo

Os mapeamentos de memória para o processo são listados para nós.

A saída padrão do pmap

Aqui está a saída completa do comando:

40919: ./pm
000056059f06c000 4K r---- pm
000056059f06d000 4K rx-- pm
000056059f06e000 4K r---- pm
000056059f06f000 4K r---- pm
000056059f070000 4K rw --- pm
000056059fc39000 132K rw--- [anônimo]
00007f97a3edb000 8K rw --- [ anon ]
00007f97a3edd000 160K r---- libc.so.6
00007f97a3f05000 1616K rx-- libc.so.6
00007f97a4099000 352K r---- libc.so.6
00007f97a40f1000 4K ----- libc.so.6
00007f97a40f2000 16K r---- libc.so.6
00007f97a40f6000 8K rw --- libc.so.6
00007f97a40f8000 60K rw --- [ anon ]
00007f97a4116000 4K r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a4117000 160K rx--ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a413f000 40K r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a4149000 8K r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a414b000 8K rw --- ld-linux-x86-64.so.2
00007ffca0e7e000 132K rw --- [ pilha ]
00007ffca0fe1000 16K r---- [anônimo]
00007ffca0fe5000 8K rx-- [anônimo]
ffffffffff600000 4K --x-- [ anon ]
total de 2.756 mil

A primeira linha é o nome do processo e seu PID. Cada uma das outras linhas mostra um endereço de memória mapeado e a quantidade de memória nesse endereço, expressa em kilobytes. Os próximos cinco caracteres de cada linha são chamados  de permissões de memória virtual . As permissões válidas são:

  • r : A memória mapeada pode ser lida pelo processo.
  • w : A memória mapeada pode ser escrita pelo processo.
  • x : O processo pode executar qualquer instrução contida na memória mapeada.
  • s : A memória mapeada é compartilhada e as alterações feitas na memória compartilhada são visíveis para todos os processos que compartilham a memória.
  • R : Não há reserva de espaço de troca para esta memória mapeada.

A informação final em cada linha é o nome da fonte do mapeamento. Pode ser um nome de processo, nome de biblioteca ou nome de sistema, como pilha ou heap.

A Exibição Estendida

A -xopção (estendida) fornece duas colunas extras.

pmap -x 40919

Usando a opção estendida -X com pmap

As colunas recebem títulos. Já vimos as colunas “Endereço”, “Kbytes”, “Modo” e “Mapeamento”. As novas colunas são chamadas de “RSS” e “Dirty”.

A saída estendida do pmap

Aqui está a saída completa:

40919: ./pm
Endereço Kbytes RSS Mapeamento de modo sujo
000056059f06c000 4 4 0 r---- pm
000056059f06d000 4 4 0 rx-- pm
000056059f06e000 4 4 0 r---- pm
000056059f06f000 4 4 4 r---- pm
000056059f070000 4 4 4 rw --- pm
000056059fc39000 132 4 4 rw --- [ anon ]
00007f97a3edb000 8 4 4 rw --- [ anon ]
00007f97a3edd000 160 160 0 r---- libc.so.6
00007f97a3f05000 1616 788 0 rx-- libc.so.6
00007f97a4099000 352 64 0 r---- libc.so.6
00007f97a40f1000 4 0 0 ----- libc.so.6
00007f97a40f2000 16 16 16 r---- libc.so.6
00007f97a40f6000 8 8 8 rw --- libc.so.6
00007f97a40f8000 60 28 28 rw --- [ anon ]
00007f97a4116000 4 4 0 r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a4117000 160 160 0 rx-- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a413f000 40 40 0 ​​r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a4149000 8 8 8 r---- ld-linux-x86-64.so.2
00007f97a414b000 8 8 8 rw--- ld-linux-x86-64.so.2
00007ffca0e7e000 132 12 12 rw --- [ pilha ]
00007ffca0fe1000 16 0 0 r ---- [ anon ]
00007ffca0fe5000 8 4 0 rx-- [anônimo]
ffffffffff600000 4 0 0 --x-- [ anon ]
----- ------- ------- -------
KB total 2756 1328 96
  • RSS : Este é o  tamanho do conjunto residente . Ou seja, a quantidade de memória que está atualmente na RAM e não foi trocada.
  • Suja : A memória “suja” foi alterada desde o início do processo e do mapeamento.

Mostre-me tudo

O -X (ainda mais do que estendido) adiciona colunas adicionais à saída. Observe o “X” maiúsculo. Outra opção chamada -XX(ainda mais que -X) mostra que tudo pmappode ser obtido do kernel. Como -Xé um subconjunto de -XX, descreveremos a saída de -XX.

pmap -XX 40919

Usando a opção -XX mostre-me tudo com pmap

A saída envolve horrivelmente em uma janela de terminal e é praticamente indecifrável. Aqui está a saída completa:

40919: ./pm
         Endereço Perm Offset Dispositivo Inode Tamanho KernelPageSize MMUPageSize Rss Pss Shared_Clean Shared_Dirty Private_Clean Private_Dirty Referenciado Anônimo LazyFree AnonHugePages ShmemPmdMapped FilePmdMapped Shared_Hugetlb Private_Hugetlb Swap SwapPss Bloqueado THPeligible VmFlags Mapping
    56059f06c000 r--p 00000000 08:03 393304 4 4 4 4 4 0 0 4 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me dw sd pm
    56059f06d000 r-xp 00001000 08:03 393304 4 4 4 4 4 0 0 4 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd ex sr mw me dw sd pm
    56059f06e000 r--p 00002000 08:03 393304 4 4 4 4 4 0 0 4 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me dw sd pm
    56059f06f000 r--p 00002000 08:03 393304 4 4 4 4 4 0 0 0 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me dw ac sd pm
    56059f070000 rw-p 00003000 08:03 393304 4 4 4 4 4 0 0 0 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr sr mw me dw ac sd pm
    56059fc39000 rw-p 00000000 00:00 0 132 4 4 4 4 0 0 0 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr mr mw me ac sd [heap]
    7f97a3edb000 rw-p 00000000 00:00 0 8 4 4 4 4 0 0 0 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr mr mw me ac sd
    7f97a3edd000 r--p 00000000 08:03 264328 160 4 4 160 4 160 0 0 0 160 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me sd libc.so.6
    7f97a3f05000 r-xp 00028000 08:03 264328 1616 4 4 788 32 788 0 0 0 788 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd ex sr mw me sd libc.so.6
    7f97a4099000 r--p 001bc000 08:03 264328 352 4 4 64 1 64 0 0 0 64 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me sd libc.so.6
    7f97a40f1000 ---p 00214000 08:03 264328 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 mr mw me sd libc.so.6
    7f97a40f2000 r--p 00214000 08:03 264328 16 4 4 16 16 0 0 0 16 16 16 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me ac sd libc.so.6
    7f97a40f6000 rw-p 00218000 08:03 264328 8 4 4 8 8 0 0 0 8 8 8 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr sr mw me ac sd libc.so.6
    7f97a40f8000 rw-p 00000000 00:00 0 60 4 4 28 28 0 0 0 28 28 28 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr mr mw me ac sd
    7f97a4116000 r--p 00000000 08:03 264305 4 4 4 4 0 4 0 0 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd sr mw me dw sd ld-linux-x86-64.so.2
    7f97a4117000 r-xp 00001000 08:03 264305 160 4 4 160 11 160 0 0 0 160 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd ex sr mw me dw sd ld-linux-x86-64.so.2
    7f97a413f000 r--p 00029000 08:03 264305 40 4 4 40 1 40 0 ​​0 0 40 0 ​​0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr mw me dw sd ld-linux-x86-64.so.2
    7f97a4149000 r--p 00032000 08:03 264305 8 4 4 8 8 0 0 0 8 8 8 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd sr mw me dw ac sd ld-linux-x86-64.so.2
    7f97a414b000 rw-p 00034000 08:03 264305 8 4 4 8 8 0 0 0 8 8 8 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr sr mw me dw ac sd ld-linux-x86-64.so.2
    7ffca0e7e000 rw-p 00000000 00:00 0 132 4 4 12 12 0 0 0 12 12 12 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd wr sr mw me gd ac [stack]
    7ffca0fe1000 r--p 00000000 00:00 0 16 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd mr pf io de dd sd [vvar]
    7ffca0fe5000 r-xp 00000000 00:00 0 8 4 4 4 0 4 0 0 0 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 rd ex mr mw me de sd [vdso]
ffffffffff600000 --xp 00000000 00:00 0 4 4 4 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 ex [vsyscall]
                                             ==== ========================= ==== === ============ == ================================================== ===== ======== ===================================== === ============================= ==== ============= = ==========
                                             2756 92 92 1328 157 1220 0 12 96 1328 96 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 KB

Tem muita informação aqui. Isto é o que as colunas mantêm:

  • Endereço : O endereço inicial deste mapeamento. Isso usa endereçamento de memória virtual.
  • Perm : As permissões da memória.
  • Offset : Se a memória for baseada em arquivo, o deslocamento desse mapeamento dentro do arquivo.
  • Dispositivo : O número do dispositivo Linux, fornecido em números maiores e menores. Você pode ver os números dos dispositivos em seu computador executando o lsblkcomando.
  • Inode : O inode do arquivo ao qual o mapeamento está associado. Por exemplo, em nosso exemplo, este poderia ser o inode que contém informações sobre o programa pm.
  • Tamanho : O tamanho da região mapeada na memória.
  • KernelPageSize : O tamanho da página usado pelo kernel.
  • MMUageSize : O tamanho da página usado pela unidade de gerenciamento de memória.
  • Rss : Este é o  tamanho do conjunto residente . Ou seja, a quantidade de memória que está atualmente na RAM e não foi trocada.
  • Pss : Este é o  tamanho do compartilhamento proporcional . Este é o tamanho compartilhado privado adicionado ao (tamanho compartilhado dividido pelo número de compartilhamentos.)
  • Shared_Clean : A quantidade de memória compartilhada com outros processos que não foi alterada desde que o mapeamento foi criado. Observe que, mesmo que a memória seja compartilhável, se não tiver sido compartilhada, ainda é considerada memória privada.
  • Shared_Dirty : A quantidade de memória compartilhada com outros processos que foi alterada desde que o mapeamento foi criado.
  • Private_Clean : A quantidade de memória privada—não compartilhada com outros processos—que não foi alterada desde que o mapeamento foi criado.
  • Private_Dirty : A quantidade de memória privada que foi alterada desde que o mapeamento foi criado.
  • Referenciado : A quantidade de memória atualmente marcada como referenciada ou acessada.
  • Anônimo : Memória que não possui um dispositivo para o qual trocar. Ou seja, não é suportado por arquivo.
  • LazyFree : Páginas que foram sinalizadas como MADV_FREE. Essas páginas foram marcadas como disponíveis para serem liberadas e recuperadas, mesmo que possam ter alterações não escritas nelas. No entanto, se ocorrerem alterações subsequentes após o MADV_FREEter sido definido no mapeamento de memória, o MADV_FREEsinalizador será removido e as páginas não serão recuperadas até que as alterações sejam gravadas.
  • AnonHugePages : Estas são páginas de memória “enormes” não suportadas por arquivo (maiores que 4 KB).
  • ShmemPmdMapped : Memória compartilhada associada a páginas enormes. Eles também podem ser usados ​​por sistemas de arquivos que residem inteiramente na memória.
  • FilePmdMapped : O Page Middle Directory é um dos esquemas de paginação disponíveis para o kernel. Este é o número de páginas com suporte de arquivo apontadas pelas entradas PMD.
  • Shared_Hugetlb : Translation Lookaside Tables, ou TLBs, são caches de memória usados ​​para otimizar o tempo necessário para acessar os locais de memória do espaço do usuário. Essa figura é a quantidade de RAM usada em TLBs que estão associadas a páginas de memória enorme compartilhadas.
  • Private_Hugetlb : Este valor é a quantidade de RAM usada em TLBs que estão associadas a páginas de memória enorme privada.
  • Swap : A quantidade de swap que está sendo usada.
  • SwapPss : O  tamanho do compartilhamento proporcional de swap . Essa é a quantidade de troca composta de páginas de memória privada trocadas adicionadas ao (tamanho compartilhado dividido pelo número de compartilhamentos).
  • Bloqueado : os mapeamentos de memória podem ser bloqueados para impedir que o sistema operacional faça a paginação da memória heap ou fora do heap.
  • THPeligible : Este é um sinalizador que indica se o mapeamento é elegível para alocar  páginas transparentes enormes . 1 significa verdadeiro, 0 significa falso. Páginas enormes transparentes é um sistema de gerenciamento de memória que reduz a sobrecarga de pesquisas de página TLB em computadores com uma grande quantidade de RAM.
  • VmFlags : Veja a lista de sinalizadores abaixo.
  • Mapeamento : O nome da origem do mapeamento. Pode ser um nome de processo, nome de biblioteca ou nomes de sistema, como pilha ou heap.
Recomendado:  O que significa “Fi” em Wi-Fi?

Os VmFlags — sinalizadores de memória virtual — serão um subconjunto da lista a seguir.

  • rd : legível.
  • wr : gravável.
  • ex : executável.
  • sh : Compartilhado.
  • sr : Pode ler.
  • mw : Pode escrever.
  • eu : Pode executar.
  • ms : Pode compartilhar.
  • gd : O segmento de pilha cresce para baixo.
  • pf : intervalo de números de quadros de página puros. Os números de quadro de página são uma lista das páginas de memória física.
  • dw : Gravação desabilitada no arquivo mapeado.
  • lo : As páginas estão bloqueadas na memória.
  • io : Área de E/S mapeada na memória.
  • sr : Aconselhamento de leitura sequencial fornecido (pela madvise()função.)
  • rr : Aconselhamento de leitura aleatória fornecido.
  • dc : Não copie esta região de memória se o processo for bifurcado.
  • de : Não expanda esta região de memória no remapeamento.
  • ac : A área é responsável.
  • nr : O espaço de troca não está reservado para a área.
  • ht : A área usa páginas TLB enormes.
  • sf : Falha de página síncrona.
  • ar : sinalizador específico da arquitetura.
  • wf : Limpe esta região de memória se o processo for bifurcado.
  • dd : não inclua esta região de memória em dumps principais.
  • sd : Sinalizador sujo suave.
  • mm : Área de mapa mista.
  • hg : Sinalizador de aviso de página enorme.
  • nh : Nenhum sinalizador de aviso de página enorme.
  • mg : Sinalizador de aviso mesclável.
  • bt : página protegida por instabilidade de temperatura de polarização ARM64.
  • mt : ARM64 As tags de extensão de marcação de memória estão habilitadas.
  • um : Userfaultfd faltando rastreamento.
  • uw : Userfaultfd wr-protect tracking.

O gerenciamento de memória é complicado

E trabalhar de trás para frente a partir de tabelas de dados para entender o que realmente está acontecendo é difícil. Mas pelo menos pmaplhe dá uma visão completa para que você tenha a melhor chance de descobrir o que precisa saber.

Recomendado:  Como compartilhar dados de saúde do iPhone com familiares e médicos

É interessante notar que nosso programa de exemplo compilou para um executável binário de 16 KB e ainda está usando (ou compartilhando) cerca de 2756 KB de memória, quase inteiramente devido a bibliotecas de tempo de execução.

Um truque legal final é que você pode usar pmape os pidofcomandos juntos, combinando as ações de encontrar o PID do processo e passá-lo pmapem um comando:

pmap $(pidof pm)